Localizada aproximadamente 75 Km do centro da cidade, Sepetiba  é um bairro da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Sua história se iniciou quando a Fazenda de Santa Cruz foi implantada pelos jesuítas e Sepetiba, com sua bela baía, contornada pela bela Restinga da Marambaia, escoava a imensa produção agropecuária da fazenda, que seria considerada uma das mais prósperas do Brasil colônia. Sepetiba também recebeu uma aldeia de índios catequizados pelos padres jesuítas e, mais tarde, seria a sede do importante Engenho do Pihai, do qual não ficou nenhum vestígio, apenas a vaga lembrança registrada no nome da Estrada do Piaí, que liga Sepetiba a Pedra de Guaratiba.

Sepetiba já teve suas praias frequêntadas  por diversos moradores da cidade do Rio. Suas praias já chegou a rivalizar com as praias de Copacabana em relação à beleza e à frequência, pois o local era cercados por belas praias. O clima de cidade do interior atrai pela recepção dos moradores, pelas comidas gostosas dos restaurantes e pelo ar bucólico das pracinhas, onde, inclusive, foram feitas as gravações da novela “O Bem Amado”, em 1973. As praias não existem mais, mas local continua belo e bom para se passar uma tarde apreciando o pôr do sol, que a baia de Sepetiba oferece ao entardecer. Bem próximo da Praia Dona Luiza, está localizado o Bar e Restaurante "Bar Rill 190" (https://www.facebook.com/barrill190/), um ótimo lugar para tomar uma geladinha, enquanto o sol se põe.  Há cerca de dois anos um projeto do governo estadual revitalizou a faixa de areia da Praia de Sepetiba criando um espaço de convivência para moradores, com quiosques, restaurantes, música ao vivo e redes de vôlei. Mas a manutenção não foi feita de forma adequada e o projeto foi interrompido. Também  foi restaurado o famoso coreto tombado pelo patrimônio histórico e onde Odorico Paraguaçu, personagem central de “O Bem Amado”, fazia seus discursos mirabolantes. A pracinha, também recuperada, é frequêntada pelos moradores como área de lazer, principalmente nos finais de semana.

Matéria e fotos: Luiz Martins (diretor do Jornal Impacto)